domingo, 28 de junho de 2009

UM ALÔ AO SISTEMA...(texto número 7}

A vida das últimas décadas está mudando, isto é, modificando-se dentro e fora de nossas casas. O que causa tudo isto? Não se pode afirmar com precisão, sendo que faz parte da evolução que o mundo sofre através dos tempos.

Vamos dar uma grande folheada ao passado, e toparemos com um fato responsável pelo começo do grande impulso que transformou a vida do ser humano no planeta: a invenção da roda. Pode-se dizer que aí foram abertas as cortinas do palco da vida, dando margem à uma sucessão de descobertas através dos tempos; toda a evolução tem seus dois lados, como faces de uma moeda:” os que crescem com ela, e os que pagam a conta...”

O ser humano, com a sabedoria que o CREADOR lhe conferiu, não parou por ali, depois da descoberta da eletricidade a evolução acelerou, de maneira mais rápida, a sua aplicação para novos e determinados fins.

Está claro que tudo contribuiu, que em pouco tempo fossem sentidas mudanças na vida das pessoas cujos costumes foram se modificando numa adaptação aos apelos da sociedade. Em tempos passados, as famílias costumavam se reunir às refeições no meio do dia: pai, mãe, filhos e avós etc...,firmando uma união familiar, sendo que ao jantar, essa prática se repetia, colocando, uma ordem no seu cotidiano, com os ajustes de assuntos que ficaram pendentes no decorrer do dia. Trocavam-se idéias, queixas ou alegrias, com a figura do pai e mãe, encabeçando a ordem familiar. O pai provia as necessidades econômicas da casa e a mãe participava na ordem, segurança e respeito, mantendo o conceito de autoridade perante os filhos.

O tempo foi passando, e a tranqüilidade dos velhos tempos foi abrindo espaço para a agitação das novidades que foram surgindo. O mundo foi se tornando palco de muitas mudanças; as novidades em aparelhos eletrônicos de larga recreação foram atraindo as famílias e as donas de casa por eletrodomésticos.

O rádio, que até então, era a principal fonte de notícias, tornou-se obsoleto, com o surgimento do televisor, que proporcionava “áudio e vídeo,”o novo “ETÊ” das paradas do sucesso! Essas novidades, no princípio, eram adquiridas apenas, por pessoas de maior poder econômico; os valores desses aparelhos eram muito altos, com o passar do tempo foram baixando, sendo que nos dias atuais fazem parte da vida dos mais carentes.

As donas de casa foram presenteadas com outra ordem de benefícios: a invasão dos eletrodomésticos tais como: liquidificadores, máquinas de lavar e centrifugar, aspiradores de pó, fogões a gás etc...

Assim, as empregadas domésticas: cozinheiras, copeiras e outras “EIRAS”, iam sendo dispensadas; foi um grande choque, para essas serviçais, que contribuíam para aumentar a renda familiar de suas casas, serem obrigadas a procurar novas alternativas.

Com a adoção desta nova vida, a harmonia da família sofreu mudanças. Para adquirir tudo isso e ingressar no mundo fantástico de toda essa parafernália, envolvida com as notícias do mundo, a mulher valeu-se de uma nova postura diante de si mesma, entre vários outros motivos, resolveu partir em busca de novos valores para sua vida.

O mundo crescia rápido demais e o aumento da renda familiar se fazia necessário. Lucros e perdas andaram lado a lado. Enquanto a mulher começava a conhecer sua potencialidade, a família perdia, através dos filhos, a vigilante mãe e o companheirismo.

Correndo atrás de valores diferentes, dando asas à empolgação, começou a cursar o ensino superior, diplomar-se, prestar concursos e ingressar ativamente, com certa propriedade, na carreira diplomática, cargos executivos e almejar até a presidência da república. Como ficaram os filhos? Como ficou o aconchego familiar?

Não há culpa de ninguém que os caminhos do mundo sejam estes.

A responsabilidade é do “Todo” um pouco de tudo e de todos.

...E o mundo continua em franca evolução, tudo contribuindo para sacudir com a estabilidade da instituição mais antiga que é a família. As fronteiras dos paises, silenciosamente, foram dando passagem para uma inescrupulosa mercadoria o mundo das drogas; atingindo os jovens incautos, chegando às crianças inocentes. Os lares carentes da vigilância de uma família presente.

Ficaram a mercê da desagregação. A situação de desespero tomou conta de pais impotentes, que não tem idéia do que fazer diante desta catástrofe da proliferação das drogas instaladas no mundo.

Nossos filhos, diante dos perigos que há tempos vem ameaçando sua liberdade perderam, de sua infância o direito de brincar livremente, subir em árvores, colher frutos, pelos perigos ameaçadores dos estranhos, por motivos vários que todos conhecem. As babás nem sempre são pessoas confiáveis.

Felizes as famílias que possuem em casa as vovós que se dedicam a zelar por seus filhos, dando aquela mãozinha que só elas sabem fazer.

O ”dia da vovó” deveria ser comemorado com o mesmo entusiasmo e pompa do dia das mães! ( ( (autora: a avó de Gabriela,que zela por sua neta com muito amor!) Suely.

2 comentários:

  1. Oi

    Te convido pra conhecer meu Blog e minhas idéias.
    Qdo. tiver um tempinho, dá um pulo lá.

    http://www.julio-verdi.blogspot.com/


    Bjs


    Júlio Verdi

    ResponderExcluir